Internacionais | Ataques

Quarta-feira, 19 de Junho de 2024

Guerra causou corte de 70% na capacidade hospitalar da Faixa de Gaza

OMS afirma que Israel fez mais de 400 ataques a instalações médicas no território palestino

A capacidade de tratamento clínico na Faixa de Gaza devastada pela guerra caiu 70%, uma vez que o bombardeamento de Israel destruiu a maioria das instalações médicas, disseram as autoridades de saúde de Gaza na terça-feira (18).

O Ministério da Saúde disse que muitos pacientes na Faixa de Gaza que não conseguem encontrar leitos têm agora de depender de hospitais de campanha com capacidades limitadas de serviços médicos para tratamento.

De acordo com estatísticas da Organização Mundial de Saúde, desde a eclosão do atual conflito entre Israel e o Hamas, o exército israelense realizou 476 ataques a instalações médicas na Faixa de Gaza, matando 727 pessoas e ferindo outras 933 nesses locais até 7 de Junho.

Farhan Haq, porta-voz adjunto do Secretário-Geral da ONU, condenou os ataques israelense ao pessoal e instalações médicas na Faixa de Gaza na terça-feira numa coletiva de imprensa e expressou grande preocupação com a escalada da crise de saúde no local.

“A Organização Mundial da Saúde afirma que continua preocupada com a escalada da crise sanitária no território palestiniano ocupado, incluindo a Cisjordânia, onde os ataques às infraestruturas de saúde e o aumento das restrições à circulação obstruem o acesso aos cuidados de saúde”, disse ele.

Entretanto, a subnutrição ameaçou a vida de 3.500 crianças na Faixa de Gaza, afirmou o gabinete de comunicação social do Hamas num comunicado de imprensa na terça-feira.

“A fome está a acelerar na Faixa de Gaza e 3.500 crianças correm risco de morte devido à desnutrição e à falta de suplementos nutricionais e vacinas, que estão proibidas de entrar no enclave”, refere o comunicado.

A declaração afirmava que “Israel e a administração dos EUA estão liderando” o impedimento à entrada de ajuda e bens ao povo palestino.

No mesmo dia, as autoridades de saúde de Gaza afirmaram num comunicado de imprensa que o número de mortos palestinos no meio do conflito em curso aumentou para 37.372, com 85.452 outros feridos.

As Forças de Defesa de Israel disseram na terça-feira que a atividade operacional continua no centro e sul da Faixa de Gaza, onde as tropas localizaram grandes quantidades de armamento.

Israel lançou uma ofensiva em grande escala contra o Hamas na Faixa de Gaza em retaliação ao ataque do Hamas na da fronteira sul de Israel em 7 de outubro de 2023, durante o qual cerca de 1.200 pessoas foram mortas e cerca de 250 feitas reféns.

CNN