Internacionais | Clima Tenso

Quinta-feira, 03 de Outubro de 2019

Terceiro dia de protestos no Iraque tem mortos

Quatro manifestantes foram mortos a tiros nesta quinta-feira (3) na cidade de Amara, ao sul de Bagdá, no terceiro dia de manifestações no país, informaram fontes médicas e policiais à agência France Presse.

Há três dias, os manifestantes exigem fim da corrupção, melhores serviços públicos e maior oferta de emprego. Os violentos protestos já deixaram 18 mortos.

O primeiro-ministro do Iraque, Adel Abdul Mahdi, impôs toque de recolher em algumas cidades iraquianas inclusive a capital, Bagdá onde todos os veículos e pessoas estão proibidos de trafegar a partir das 5h desta quinta-feira (horário local) "até segunda ordem", informou o gabinete do premiê.

Nos atos, jovens formados em universidades iraquianas protestam contra a dificuldade em se encontrar emprego em um país sem dinheiro, mas que é rico em petróleo.

Os protestos põem em xeque o governo de Adel Abdul-Mahdi, que está perto de completar um ano. Segundo a agência AP, as manifestações não têm liderança única e foram organizadas pelas redes sociais.

A onda de violência e de revolta contra o governo coloca o Iraque em mais um capítulo de crise política desde a deposição do regime de Saddam Hussein pelos Estados Unidos, em 2003. Até por isso, a situação preocupa a Casa Branca – há ainda milhares de militares norte-americanos em território iraquiano.

A embaixada dos EUA em Bagdá pediu calma a todos os lados. "O direito de protestar pacificamente é fundamental em todas as democracias, mas não há lugar para violência de nenhum lado", afirmava um tuíte da representação norte-americana.

Outro fator de preocupação é a crise ocorrer em meio à tensão entre os EUA e o Irã – país vizinho ao Iraque e inimigo histórico do governo iraquiano, sobretudo após os recentes ataques a petroleiras na Arábia Saudita, aliada dos norte-americanos.