Internacionais | Alemanha

Sábado, 21 de Novembro de 2020

Suspeito de sequestrar Madeleine McCann é condenado na Alemanha por estuprar idosa

O homem suspeito de ter sequestrado a menina britânica Madeleine McCann em uma cidade no litoral de Portugal há 13 anos foi condenado pela Justiça alemã, nesta sexta-feira (20), a sete anos de prisão por outro crime – o estupro de uma idosa.

Christian Brückner já cumpria pena na Alemanha por tráfico de drogas e aguardava o julgamento de recurso no caso do estupro e roubo de uma turista norte-americana com então 72 anos. O crime aconteceu ainda em 2005, na Praia da Luz, em Portugal.

Na segunda-feira (16), ele teve duas costelas quebradas enquanto era levado para depor. A Justiça da Alemanha ainda não informou quais foram as condições que o levaram a se ferir. Brückner, de 43 anos, é identificado pela polícia alemã como "um pedófilo reincidente".

Apesar de ser o principal suspeito no caso do desaparecimento de Madeleine, os promotores disseram que ainda não têm evidências para incriminá-lo.

Ele morou na região do Algarve, em Portugal, entre 1995 e 2007. Segundo a polícia alemã, há registros de que Brückner roubou hotéis e apartamentos na região, além de ter se envolvido com a compra e venda de drogas.

Entenda o caso Madeleine

Em 2007, Madeleine era uma menina de 3 anos do Reino Unido. Sua família havia ido a Portugal para passar férias na praia e a garota sumiu do apartamento onde eles estavam hospedados.

Seus pais, Kate e Gerry McCann, declararam que deixaram a sua filha dormindo junto a seus dois irmãos enquanto jantavam com uns amigos no mesmo complexo turístico e que, quando voltaram, a menor já não estava no quarto.

Em junho de 2020, as autoridades da Alemanha disseram que identificaram o suspeito que já estava preso por outro crime.

Além disso, segundo autoridades alemãs, o homem tem condenações por abuso sexual de menores, roubos, tráfico de drogas e é conhecido por invadir hotéis. Ele estava na cidade portuguesa em que Madeleine foi sequestrada quando o crime ocorreu.

G1