Internacionais | Afeganistão

Sábado, 09 de Outubro de 2021

Explosão em mesquita deixa mais de 100 mortos e feridos no Afeganistão

Mais de 100 pessoas morreram ou ficaram feridas nesta sexta-feira (8) em uma explosão em uma mesquita xiita na cidade de Kunduz, no nordeste do Afeganistão.

O Estado Islâmico assumiu a responsabilidade pelo ataque suicida, que segundo a agência de notícias estatal Bakhtar deixou 46 mortos e 143 feridos.

Duas autoridades de saúde afegãs disseram à Reuters que entre 70 e 80 pessoas morreram no atentado.

A missão da ONU no Afeganistão classificou o ataque como "parte de um padrão perturbador de violência", que ocorre após outros atentados nos últimos dias (veja mais abaixo).

O porta-voz do Talibã, Zabihullah Mujahid, afirmou que uma unidade especial de investigação foi ao local para investigar o atentado.

"Houve uma explosão em uma mesquita de nossos compatriotas xiitas, e o resultado disso é que um número de nossos compatriotas foram martirizados e feridos", disse Mujahid.

Diversos ataques foram feitos no país nas últimas semanas, e alguns deles foram reivindicados pelo Estado Islâmico-Khorasan, o braço do grupo terrorista no Afeganistão.

Entre os alvos dos atentados estão uma mesquita na capital Cabul e em uma escola religiosa na província oriental de Khost.

Xiitas e sunitas

O Talibã e o Estado Islâmico são rivais no país, e ambos os grupos extremistas são sunitas (e os xiitas são minoria).

Apesar de sunitas e xiitas serem muçulmanos, eles têm teologias e rituais diferentes.

Os sunitas são considerados mais tradicionais e, para eles, Maomé é o maior profeta (e os outros líderes da religião são secundários).

Os xiitas seguem um genro do profeta Maomé e, para eles, só os descendentes desse genro podem ser líderes dos muçulmanos.

G1