Internacionais | Disseminação limitada

Quarta-feira, 25 de Março de 2020

Como o Japão mantém o coronavírus sob controle?

Das cerejeiras que adornam as avenidas e parques japoneses, o coronavírus parecia estar bem longe no último fim de semana. Em todos os lugares, pessoas faziam piquenique sob o esplendor rosa, comiam, sorviam latas de cerveja e tiravam fotos diante dos brotos recém-florescidos.

O contraste com a Europa não poderia ser maior. O Japão tem apenas dez focos de Covid-19, registrando nesta terça-feira (24) 42 mortos e 1.166 infecções confirmadas. Apenas algumas dezenas de novos contágios são adicionados diariamente às estatísticas.

Na verdade, esses números tinham tudo para explodir. Afinal, o país tem alta densidade demográfica, possui a maior proporção de idosos do mundo e um contato muito próximo com a vizinha China. Em janeiro, 925 mil chineses chegaram ao Japão, e em fevereiro, 89 mil.

No entanto, o governo demorou a tomar medidas mais rígidas. O primeiro-ministro Shinzo Abe fechou as escolas duas semanas antes das férias, e todos os eventos foram cancelados. Mas lojas e restaurantes permaneceram abertos, e não foram muitos os japoneses que começaram a trabalhar de casa.

Desconfiança do governo?

As estatísticas sobre a disseminação da Covid-19 inicialmente levantaram suspeitas de que a verdade estava sendo varrida para debaixo do tapete.

"Na época do desastre nuclear em Fukushima, o governo primeiramente não quis admitir o derretimento dos reatores. Isso fez com que haja atualmente muita desconfiança em relação às declarações oficiais", diz a socióloga Barbara Holthus, do Instituto Alemão de Estudos Japoneses, em Tóquio.

Apesar de ter capacidade para 6 mil testes por dia, o Japão fez apenas 14 mil exames, 20 vezes menos do que na Coreia do Sul, que foi duramente atingida pela pandemia.

"Apenas os pacientes com os sintomas mais severos são testados", informa o virologista Masahiro Kami, do Medical Governance Research Institute. "O número de casos não registrados é, portanto, muito alto", avalia. O cientista político Koichi Nakano acusa o governo japonês. "O primeiro-ministro Shinzo Abe quer retratar o Japão como um país seguro", diz.

Tais críticas são rejeitadas pela equipe de especialistas que assessora o Ministério da Saúde japonês. Em vez de realizar testes em âmbito nacional, a tática consiste em buscar onde existe acúmulo de infecções. Por exemplo, quando a doença foi detectada em uma escola primária, a ilha de Hokkaido, no norte do país, fechou todas as escolas e declarou estado de emergência. Após três semanas, o vírus parou de se espalhar.

"O pequeno número de testes deve garantir que os recursos sanitários permaneçam disponíveis para casos mais graves", analisa o cientista político alemão Sebastian Maslow, da Universidade de Tóquio.

Sem apertos de mão

Especialistas em Japão destacam outras características especiais: por um lado, o hábito de curvar-se para cumprimentar pessoas reduz o risco de infecção. Não há apertos de mão nem beijos no rosto. Por outro, desde a primeira infância, a população se atém, de maneira disciplinada, a regras básicas de higiene.

"Lavar as mãos, fazer gargarejos com solução desinfetante e usar máscaras fazem parte de nossa vida cotidiana. Para isso, não precisamos de coronavírus", relata uma japonesa, mãe de duas crianças.

G1