Notícias da Região | Foz do Iguaçu

Quinta-feira, 08 de Novembro de 2018

Casal de Foz é suspeito de abastecer site de venda de medicamentos ilegais

Uma operação desencadeada pela Polícia Civil do Rio de Janeiro prendeu na manhã desta quinta-feira (8), em Foz do Iguaçu, um casal suspeito de envolvimento com uma organização criminosa acusada da prática de crimes de tráfico de drogas, contra a saúde pública e lavagem de dinheiro.

Conforme a polícia, um casal foi preso em um apartamento luxuoso, em área nobre da cidade. A polícia chegou a divulgar que o homem, que é coronel da reserva da Polícia Militar de São Paulo, era “atual coordenador de segurança da Usina Hidrelétrica de Itaipu”. No entanto, a Itaipu divulgou nota afirmando que “O envolvido não é funcionário da Usina, e que foi admitido há menos de 30 dias para trabalhar na equipe de segurança do Parque Tecnológico de Itaipu, em função operacional”. Ainda conforme a nota, ele “foi desligado sumariamente nesta manhã”.

Operação Eros

De acordo com a polícia, as investigações que culminaram na Operação Eros foram iniciadas para identificar o mais antigo e famoso site de venda de medicamentos de uso controlado, em que eram anunciados medicamentos abortivos, ansiolíticos estimulantes sexuais e até conhecida droga do golpe ‘boa noite cinderela’, além de inibidores de apetite, anfetaminas, anabolizantes e antibióticos. O site atuava desde 2006 e as ‘encomendas’ eram postadas de agências dos Correios de Niterói.

A polícia chegou até o casal como as pessoas por trás do site e descobriu a ligação deles com o casal, de Foz. Os dois mantinham os estoques de medicamentos do site sempre abastecidos.

Uma pessoa foi presa em flagrante, no Centro do Rio, durante as investigações. Bruno Sérgio Honorato de Paula, estava em posse de vários medicamentos proibidos. Na casa do suspeito, em Campo Grande, a polícia encontrou cerca de 1 mil caixas de Sibutramina, e diversas caixas de Lipostabil, Clonazepam, Fluoxetina, Femproporex e Stanozolol.

O esquema movimentava cerca de R$ 150 mil mensais. Parte do valor era investido em imóveis com valores superfaturados, para lavagem de dinheiro. Foram sequestrados judicialmente hoje três imóveis, cinco contas bancárias e dois veículos.

Massa News

COMPARTILHE

COMENTÁRIOS

Deixe seu comentário

* Ao enviar o comentário você aceita os termos de uso do site.